Atos 2-5 ensina o socialismo? – Art Lindsley, PhD

Atos_2-5_ensina_o_socialismo? – Art_Lindsley

Anúncios

As Dez Antíteses

As Dez Antíteses
Autor: Pastor Jeff Black
Igreja Reformada Presbiteriana Providência [Providence Reformed Presbyterian Church]
Sermão intitulado: Rejeite a Deus e Você Terá Socialismo
Fonte original: https://feileadhmor.wordpress.com/2010/11/23/the-ten-antithesis/

Para definir o socialismo, simplesmente considere a antítese para cada um dos Dez Mandamentos.

A Primeira antítese – O Estado não está sob a jurisdição de Deus e não deve usar, como referência, a Palavra de Deus em qualquer uma de suas políticas, decisões ou programas.

A Segunda antítese – O Estado deve fabricar imagens de si próprio e exigir a exibição proeminente, em público, das mesmas. Nenhum símbolo de qualquer autoridade alternativa será permitido em propriedade pública.

A Terceira antítese – Juramentos não devem fazer referência ao Deus verdadeiro da Bíblia e, quando feitos, devem ser compreendidos como tradição insignificante.

A Quarta antítese – Já que Deus não existe, não há nenhum dia em que ele tenha uma propriedade especial. Portanto, as empresas operarão sem impedimento no domingo.

A Quinta antítese – Já que Deus não existe, Ele não define a família; então, o Estado pode defini-la ao passo que a mesma serve o objetivo do Estado. Os Direitos da Criança devem ser positivadas em lei, para que a autoridade das mães e dos pais seja prejudicado.

A Sexta antítese – Matarás milhões de bebês humanos tendo por objetivo uma cultura sustentável. Aqueles que matarem humanos nascidos não serão executados, mas sim compreendidos e simpatizados por causa de seu meio infeliz, o qual os condicionou a tal comportamento.

A Sétima antítese – Já que Deus não existe, Ele não define o casamento; então, o Estado pode defini-lo ao passo que o mesmo serve o objetivo do Estado. Já que não existe uma moralidade absoluta, devemos reconhecer que a atividade e expressão sexuais não tem fronteiras nem limites, exceto quando isso possa servir o objetivo do Estado.

A Oitava antítese – A propriedade privada deve ser abolida conforme os interesses do Estado. Nenhum cidadão-sujeito será permitido desenvolver a sua independência do Estado. Todo mundo deve ser realocado ao Estabelecimento do Governo.

A Nona antítese – Não existe nenhum padrão absoluto da verdade. A verdade deve estar a serviço do Estado; portanto, qualquer coisa pode ser comunicada se a mesma serve ao objetivo do Estado.

A Décima antítese – Cobiçarás os bens do teu vizinho e confiscá-lo-ás para ser redistribuído conforme parece ser bom aos olhos do Estado.

Tradução: Nathan Cazé | Blog: monoergon.wordpress.com

Dispensacionalismo: Uma Crítica Abreviada – Grover Gunn – Tradução Nathan Caze

https://www.scribd.com/document/319557143/Dispensacionalismo-Uma-Critica-Abreviada-Grover-Gunn-Portugues-Traducao-Nathan-Caze

Também está disponível em: http://monergismo.com/grover-gunn/dispensacionalismo-uma-critica-abreviada/

Antinomianismo – R. C. Sproul

Há um antigo verso que serve para ilustra [sic] bem o tema antinomiano. O verso diz: “Livre da lei, que maravilhosa condição, posso pecar quanto quiser e ainda alcançar a remissão“.

Antinomianismo significa literalmente “antilei”. Ele nega ou diminui a importância da lei de Deus na vida do crente. É o oposto da heresia gêmea, o legalismo.

Os antinomianos cultivam aversão pela lei de várias maneiras. Alguns acreditam que não têm obrigação de obedecer às leis morais de Deus porque Jesus os libertou da lei. Insistem em que a graça não só liberta da maldição da lei de Deus, mas também nos liberta da obrigação de obedecê-la. A graça, pois, se torna uma licença para a desobediência.

O mais surpreendente é que as pessoas defendem este ponto de vista a despeito do ensino vigoroso de Paulo contra ele. Paulo, mais do que qualquer outro escritor do Novo Testamento, enfatizou as diferenças entre a lei e a graça. Ele se gloriava na Nova Aliança. Mesmo assim, foi muito explícito em sua condenação do antinomianismo. Em Romanos 3.31 ele escreve: “Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei.”.

Martinho Lutero, ao defender a doutrina da justificação pela fé somente, foi acusado de antinomianismo. Ele, no entanto, afirmava com Thiago que “a fé sem obras é morta”. Lutero discutiu com seu discípulo João Agrícola sobre esta questão. Agrícola negava que a Lei tivesse qualquer propósito na vida do crente. Negava até mesmo que a lei servisse para preparar o pecador para a graça. Lutero respondeu a Agrícola com sua obra Contra o Antinomianismo em 1539. Posteriormente, Agrícola se retratou de suas idéias antinomianas, mas a questão permaneceu.

Teólogos luteranos posteriores afirmaram a visão de Lutero da lei. Na Fórmula de Concórdia (1577), a última das declarações da fé luteranas, eles relacionaram três utilidades da lei: (1) revelar o pecador; (2) estabelecer um nível geral de decência na sociedade como um todo e (3) proporcionar uma regra da vida àqueles que foram regenerados pela fé em Cristo.

O erro primário do antinomianismo é confundir justificação com santificação. Somos justificados pela fé somente, independentemente das obras. Entretanto, todos os crentes crescem na fé ao observarem os mandamentos de Deus – não para granjearem o favor de Deus, mas movidos por uma amorosa gratidão pela graça que já lhes foi concedida através da obra de Cristo.

É um erro grave supor que o Antigo testamento era a aliança da lei e que o Novo Testamento é aliança da graça. O Antigo Testamento é um testemunho monumental da maravilhosa graça de Deus em favor de seu povo. Semelhantemente, o Novo Testamento está literalmente cheio de mandamentos. Não somos salvos pela lei, mas demonstramos nosso amor a Cristo obedecendo a seus mandamentos. “Se me amais, guardai os meus mandamentos.” Jo 14.15.

Freqüentemente ouvimos a afirmação: “O cristianismo não é um monte de normas sobre o que fazer e o que não fazer. Não é uma lista de regras”. Há alguma verdade nesta dedução, visto que o cristianismo é muito mais do que uma mera lista de regras. Em sua essência, o cristianismo é um relacionamento pessoal com o próprio Cristo. Não obstante, o cristianismo também não é destituído de regras. O Novo Testamento claramente inclui alguns “faça e não faça”. O cristianismo não é uma religião que sanciona a idéia de que todos têm o direito de fazer o que acharem melhor aos próprios olhos. Ao contrário, ele nunca dá a alguém o “direito” de fazer o que é errado,

Sumário

1. Antinomianismo é heresia que diz que os cristãos não têm qualquer obrigação de obedecer às leis de Deus.
2. A lei revela o pecado, é o fundamento para a decência na sociedade e é um guia para a vida cristã.
3. O antinomianismo confunde justificação e santificação.
4. Lei e graça enchem tanto o Antigo quanto o Novo Testamento.
5. Embora obedecer à lei de Deus não seja a causa meritória da nossa justificação, espera-se que uma pessoa justificada busque ardentemente obedecer aos mandamentos de Deus.

Textos para meditação – Jo 14.15; Rm 3.27-31; Rm 6.1,2; 1 Jo 2.3-6; 1 Jo 5.1-3

Fonte: http://www.ocalvinismo.com/2010/04/antinomianismo-r-c-sproul.html